Campo Grande-MS 23.04.2017
Planeta MPB apresenta Lê Coelho, cantor e violonista
Sexta-Feira, 11.03.2016 às 11:00
Planeta MPB apresenta Lê Coelho, cantor e violonista
Artista estreia seu primeiro álbum, recheado de poesia do cotidiano
Planeta MPB - Dery Nascimento
Para o Portal Top Vitrine
Divulgação
Lê Coelho

A produção fonográfica independente vem crescendo consideravelmente a cada dia. Isso se dá por vários motivos, entre eles, obviamente, que o autor mostre sua obra, já que os grandes selos e gravadoras muitas vezes não demonstram interesse por trabalhos que não considerem comerciais, acarretando uma lentidão no retorno do investimento.

 

O outro motivo é o músico ter domínio pleno de sua criação, sem interferências, com a liberdade de produzi-la da forma com que foi concebida. Em contrapartida, produzir uma obra independente traz dois grandes problemas ao artista: a distribuição e a divulgação às próprias custas.

 

Hoje apresento a vocês, leitores, o jovem cantor, compositor e violonista, Lê Coelho, que não teve medo desses percalços e nos apresenta seu primeiro álbum, recheado de poesia do cotidiano, “Tuvalu – Uma História Oral do Nosso Tempo”.

 

O CD apresenta 10 temas e a faixa bônus, “21 de Dezembro”, que trafegam pelo pop, rock, funk e jazz, e tem a produção assinada por Lê, dividida com Ivan Gomes e Rodrigo Monteiro.

 

Tuvalu é um país fadado a sucumbir diante dos excessos do homem. O disco faz referência a este país real que, devido ao impacto ambiental causado pelo homem no Planeta, deve sumir do mapa nos próximos anos e, também, ao livro do jornalista Joseph Mitchell, que fala sobre o intrigante personagem Joe Gould, um mendigo da Nova York dos Anos 40, que tinha como objetivo escrever “A História Oral do Nosso Tempo”. Lê entra de cabeça nessas imagens para nos mostrar um disco incrível.

 

O álbum abre com “Fausto Hippie” (L.C.) que nos conta a história de um hippie que muda de ideologia, vale ouvir. O artista tem domínio das palavras e as usa bem na canção “Tanta Gente” (L.C.).

 

Para falar da saudade da amada e das madrugadas de insônia, Lê nos apresenta “Minha Madrugada” (L.C.).

 

Em parceria com Carla Massa, o artista apresenta sua profecia musical, “21 de Dezembro”, que fala das incertezas de continuar se o mundo não acabar.

 

O cantor faz uma bela homenagem ao cantar “Arte pela Arte” (L.C.), e prova seu amor a ela. Na sexta canção, “Leoa” (Daniel Campmany/Lê Coelho/Pedro Assad), o artista conta com a participação especial de Lívia Nestrovski, com quem divide os vocais. Com o trio Bolerinho o artista canta “Quase Chique” (L.C.), música com uma boa pitada de humor.

 

Agora Lê ataca de intérprete ao emprestar a voz para a bela “Roda Morta” (Sérgio Sampaio/Sérgio Natureza). A canção “Essa Vontade” (L.C.), com elementos da música nordestina, me conquistou. Para finalizar ouviremos novamente o intérprete, desta vez com a canção “Meu Mundo é Hoje” (Wilson Batista/Jose Batista).

 

Um disco bom para uma estreia – espero que ele se perpetue e que siga seu rumo.

09 NOVEMBRO - SEG
Livro de Gisele Bündchen já está à venda
17 AGOSTO - SAB
Inscreva-se na Corrida do Bem
24 FEVEREIRO - SEX
Ladrão de olhos
13 JANEIRO - SEX
Bolsonaro`s Sex Party
Busca Detalhada
Utilize a busca avançadas do site para encontrar o que deseja em termos de noticías.