Campo Grande-MS 29.05.2017

Política em pauta

Leandro Grôppo

compartilhe:

Quarta-Feira, 23.03.2016 às 09:30

A tática Tiririca

Tiririca obteve mais que o dobro de votos em relação ao segundo colocado

Política em pauta

Para o Portal Top Vitrine

Muitos se espantam áté hoje com a quantidade de votos obtida pelo humorista Tiririca em sua candidatura a Deputado Federal por São Paulo pelo PR. Foram mais de um milhão de votos nas duas eleições que disputou, em 2010 e em 2014.

 

Discute-se a razão de uma figura, até então inexpressiva na política, e sem qualquer trabalho anterior, consiga amealhar quantidade tão significativa de votos, a ponto de ter sido o deputado mais votado do Brasil em números absolutos em 2010.

 

Para se ter uma ideia do feito, no estado de São Paulo, que possui o maior eleitorado do país, o segundo mais votado para o cargo foi Gabriel Chalita (PSB), ex-secretário de educação do estado, ex-vereador da capital paulista e com forte vinculação à igreja católica, obteve 560.022 votos, número bastante expressivo se considerarmos que do 3º ao 14º lugares tiveram votação na casa dos duzentos mil.

 

Ou seja, Tiririca obteve mais que o dobro de votos em relação ao segundo colocado, sendo que este segundo teve também mais que o dobro do terceiro. Um verdadeiro fenômeno! Será?...

 

Em verdade, tudo isso não foi surpresa para seu partido e sua coligação. Em todas as eleições para cargos legislativos, especialmente para Câmara dos Deputados, muitos partidos utilizam de figuras conhecidas do eleitorado, vindas de outros setores, principalmente do meio artístico e esportivo, para elevar o número de partidários eleitos. Pois, com maior bancada, tem-se mais recursos do fundo partidário (a divisão é feita de acordo com a votação da legenda), mais prestígio e consequentemente maior poder de barganha política.

 

Explica-se: ao contrário das eleições para cargos executivos (presidente, governador e prefeito) que são majoritárias, onde aquele que consegue a maioria dos votos é o vencedor, nas eleições para o legislativo a votação é proporcional, ou seja, elege-se pela proporção de votos dada a todos os candidatos da coligação.

 

Dessa forma, se um candidato teve boa votação, mas seus companheiros de chapa não obtiverem bons resultados, fazendo com que a coligação não alcançasse o número mínimo de votos para eleger ao menos um representante, o bem votado estará fora.

 

Por outro lado, em coligações que se utilizam de um puxador-de-votos que obtenha votação expressiva, a sobra de sua votação serve para eleger outros que não conseguiriam atingir a quantidade mínima somente com sua votação pessoal. Por exemplo, a votação de Tiririca foi capaz de eleger outros cinco candidatos que não conseguiriam se eleger sozinhos.

 

Esta é a estratégia dos partidos ao buscar candidatos celebridades. Os eleitores, em sua maioria desiludidos com os políticos tradicionais e suas práticas, e sem entender para que serve um deputado, acabam por transformar seu voto em uma resposta de protesto a chacota diária dos noticiários.

 

Assim, o desconhecimento da mecânica eleitoral expande, a cada pleito, a leva de oportunistas e do estapafúrdio espetáculo eleitoral. Portanto, casos como Enéas em 2002, Clodovil em 2006, Tiririca em 2010, dentre outros, não são novidade no meio político. Onde, muitas vezes, vota-se no que se vê e elege-se o que não vê.

comentários (0)

nome

e-mail

comentário

Política em pauta

Especialista em Comunicação e Marketing Político-Eleitoral, com aperfeiçoamento em Estratégia Política pela The Graduate School of Political Management da George Washington University, pós-graduado em Gestão Pública pela Escola Nacional de Administração Pública, mestrado pela UnB e em comunicação pela UFU. Foi assessor na Presidência da República, com passagem, ainda, por Ministérios do Governo Federal. Membro da Sociedade Brasileira dos Profissionais e Pesquisadores em Comunicação e Marketing Político (Politicom) e da Asociación Latinoamericana de Consultores Políticos (ALACOP), participou nos níveis estratégicos de diversas campanhas eleitorais e planejamento de mandatos. É sócio-diretor da Strattegy Comunicação & Marketing, colunista de política e economia, e professor-tutor do curso de especialização em Gestão Pública Municipal da UFU e UAB. Leandro é articulista do Portal Top Vitrine desde janeiro de 2016.

Filtrar Resultados

Utilize a busca avançadas do site para encontrar o que deseja.

Blogs & Colunas

Utilize a busca avançadas do site para encontrar o que deseja.